home Finanças Pessoal Americana Carol Roth mostra como é possível alcançar uma história de sucesso financeiro com a adoção de dicas simples

Americana Carol Roth mostra como é possível alcançar uma história de sucesso financeiro com a adoção de dicas simples

A escritora, apresentadora e empreendedora americana Carol Roth cresceu em uma famí­lia para qual dinheiro era um problema. Seu pai trabalhava como eletricista, e a mãe era uma dona de casa que ousou em transformar um de seus hobbies em negócio. Ainda assim, o dinheiro sempre foi contado.

Carol Roth se tornou uma mulher bem sucedida após terminar faculdade com dí­vida de R$ 155 mil

O divórcio dos pais durante sua adolescência teve impactos negativos nas finanças da famí­lia. Foi quando ficou bem claro que ela não poderia contar com a ajuda dos pais para pagar a faculdade.

Conclusão: ao se formar, em 1995, em uma das melhores faculdades de business dos Estados Unidos, Carol tinha uma dí­vida de US$ 40.000, cerca de R$ 155 mil. Ela definiu então uma meta: em menos de oito anos sairia do buraco e adquiriria um patrimônio lí­quido de um milhão de dólares. Em entrevista ao Business Insider, ela contou como conseguiu essa façanha.

1. Defina a meta
A parte mais importante de alcançar um objetivo é definir a meta que você quer atingir. Uma meta significa um resultado muito especí­fico e muito desejado, que deve vir acompanhado de um plano de medidas e de uma data de conclusão para poder ser alcançado.

Meu objetivo específico era ganhar meu primeiro milhão antes dos trinta anos. Escolhi essa meta por causa do stress sob o qual minha famí­lia viveu por não ter dinheiro suficiente e porque eu não queria ter de lidar com um constante estado de caos financeiro. Pensei que ter um milhão no banco me permitiria assumir mais riscos e ter mais flexibilidade. E 30 anos me parecia uma idade desafiadora, mas ainda razoável.

2. Consiga um emprego que pague bem e com o qual você aprenda bastante
Meu primeiro passo foi encontrar um trabalho que me pagasse bem e que me ajudasse a desenvolver muitas habilidades. Eu escolhi trabalhar na área de finanças corporativas de um banco de investimento. No primeiro ano, ganhei em torno de US$ 85.000, cerca de R$ 330,450. Eu não tinha apenas conseguido o emprego certo, mas também tinha escolhido a empresa certa para a qual trabalhar. Havia optado por fazer parte de uma empresa que tinha uma ambiente meritocrático, pois acreditava que dessa forma teria mais chances de ser promovida e ganhar mais nos próximos anos, o que provou ser verdade.

3. Trabalhe duro
Eu trabalhei como louca. Diria que trabalhava de 16 a 18 horas por dia, de seis a sete dias por semana. Entrei na maior quantidade de grupos de negócios que consegui e aprendi o máximo que pude.

4. Advogue a seu favor
Não deixei meu trabalho duro passar despercebido. Sempre colocava minha equipe e meus superiores a par do que eu estava fazendo e de qual eram as minhas expectativas. Quando achava que estava trabalhando em um nível superior, pedia para ser promovida. Resultado: fui promovida rapidamente, meu salário aumentou substancialmente, especialmente quando me tornei vice-presidente aos 25 anos, seis anos antes do previsto!

5. Tenha o mí­nimo de despesas possí­vel
Enquanto meus colegas tinham apartamentos de dois e até três dormitórios, eu morava em um estúdio. Minha mesa de cabeceira era uma caixa de papelão. Eu não tinha TV a cabo. Pegava ônibus para ir até a empresa. Tentava comer no trabalho sempre que possí­vel. Quando saí­a, calculava o preço dos pratos cuidadosamente. Tudo isso permitiu que eu economizasse grande parte do meu salário e seguisse para a próxima etapa.

6. Seja implacável com suas dí­vidas
Naqueles tempos as taxas de juros eram substancialmente mais elevadas do que são hoje em dia. E não lembro ao certo das taxas que eu paguei, acho que eram na faixa de 6% a 9%. Por isso, usei cada salário para pagar os empréstimos que fiz durante a faculdade. Quitei minhas dí­vidas no fim de 1996, cerca de um ano e meio depois de me formar.

7. Faça investimentos
Com minhas dí­vidas pagas, salário maior e despesas mí­nimas, finalmente pude começar a poupar. E uma parte do que eu poupava, investia em tí­tulos e ações. Como a minha carreira progrediu e meu patrimônio começou a subir substancialmente, me tornei capaz de fazer investimentos adicionais. Ai deixei meu trabalho no banco de investimentos depois de cinco anos para abrir minha própria empresa. Se eu tivesse permanecido em meu trabalho, provavelmente teria ganhado meu um milhão em um ou dois anos, mas eu queria ser mais empreendedora, e o mais importante, sentia que poderia atingir esse objetivo.

8. Não se deixe abater pelos contratempos
Nem tudo ocorreu perfeitamente. Tive, por exemplo, que emprestar cerca de US$ 40 mil, para um amigo da famí­lia em 1997, exatamente no momento em que eu estava começando a aplicar as minhas economias. Não recebi grande parte da quantia que havia emprestado. Mas eu decidi não me concentrar na perda e focar no futuro e no que eu podia controlar.

Assim, aos 30 anos, meu patrimônio havia ultrapassado a marca de um milhão de dólares. Isso me proporcionou a flexibilidade com a qual eu tanto sonhava. Permitiu que eu e meu marido, que estava buscando sua própria história de sucesso financeiro, e mapeássemos um plano para o futuro. Permitiu ainda que eu não tivesse as mesmas preocupações com questões financeiras que meus pais tinham quando eram vivos.

Essas dicas podem funcionar para você também, não importa que tipos de objetivos você está perseguindo.